Devorador de almas

Lara Luna

Contato: laralunna@gmail.com

 

 

Traduzir página Web de:

 

O CIÚME

 

No estande da Armbrust, o instrutor se encarregava de Vick, enquanto Louise e Antonio atiravam e disputavam entre si.

____É preciso empunhar a arma assim! - dizia o moço bonito, postando-se por trás de Victória e a ajudando a ajustar sua postura.

Em certo momento, a policial percebeu que Louise estava parada, com a arma ao seu lado, muito corada e com os olhos fuzilando. Antonio por seu lado, ao perceber-lhe a expressão, arranjou uma desculpa para sair do local.

____Aconteceu alguma coisa? - quis saber a policial, aproximando-se dela.

A delegada nada disse e saiu do estande, caminhando apressada. Vick entregou a "besta" para o instrutor e ainda tentou alcançá-la pela trilha de pedra no bosque, e enfim, ao conseguir, segurou-a pelo braço.

____O que aconteceu? Porque está irada? O que fiz de errado?

A delegada apanhou-a pelos ombros e os apertou, com os olhos cintilantes de ciúmes e fúria.

____Você deixou aquele rapaz se esfregar em seu corpo, como uma gata no cio, a ponto de fazê-lo ter uma ereção!
____O quê?
____Não se faça de ingênua, Victória Di Angelis... você estava flertando com aquele moço! - gritou Louise, cerrando os dentes, com olhar perigoso.

Vick não estava preparada para aquela crise insólita de ciúmes da parte da delegada e procurou acalmá-la, abraçando-a a força e arrastando-a para dentro do bosque.

Por fim, encostou-a a uma grande árvore.

____Eu sei muito bem do que você está precisando! - disse, enquanto lhe desabotoava a calça e a abaixava até os tornozelos, instalando seu rosto ali, beijando-a, lambendo e enfim sugando-a.

Ela não lhe ofereceu resistência e apenas gemia forte, agarrando-se aos cabelos de Victória. Quando enfim, gozou, seu corpo desabou, sendo amparado pela policial que se sentou em uma rocha, com ela ao colo, acariciando-a e falando-lhe mansamente ao ouvido.

____Meu desejo é seu, rainha! Meu corpo é seu... Não precisa ficar tão irada! Até o Antonio percebeu! Aliás, ele já "pegou" bem o que está acontecendo entre nós!

Louise parou por alguns minutos para refletir. Não ficou contente com aquela afirmação.

____Ele sabe que sou uma pessoa ciumenta e difícil, Victória!
____Foi por este motivo que vocês terminaram o namoro?
____Não! Foi porque, além de temperamental, arrogante, autoritária e agressiva... sou... muito inconstante!...
____Nossa! Quantos predicados! - brincou Vick, tentando acalmar seu próprio coração.
____É preciso que saiba Di Angelis: Me desapego rápido das pessoas! - continuou a revelar Louise, embaraçada, levantando-se do colo de Vick e a convidando a voltar para o chalé.

Na caminhada de volta, Louise perguntou se a policial já havia lido algo sobre Ninon de Lenclos.

____Li, muito "an passant"!
____Ninon era uma mulher extremamente encantadora, mas tinha uma característica muito peculiar: Nunca se apaixonava por mais de três meses. Certo dia, ela disse a um amante que o adoraria por três meses. O rapaz argumentou que era pouco tempo, ao que ela disse que para si, três meses eram uma eternidade.

Alcançaram o chalé, silenciosas, com Victória refletindo sobre o que Louise lhe contara. Percebera claramente o significado, principalmente no que confirmava sua descrição pessoal, de como sendo "inconstante". Entraram e Louise a conduziu ao banho no amplo e confortável ofurô, preparando a água aquecida, com óleos aromáticos e relaxantes, além de espalhar por toda sua superfície, pétalas frescas de rosas vermelhas. Apagou a luz e acendeu apenas as das velas. Ao fundo, escolheu uma música deliciosa e encaixou-se em Victória, massageando-lhe o corpo e lavando-lhe os densos e longos cabelos.

Ficaram minutos, com a policial recostada no corpo macio de Louise, enquanto esta lhe tocava gentilmente os seios e a parte pélvica.

_____Sabe como agradar uma mulher! - sussurrou Di Angelis.

Louise sorri timidamente diante de tal observação e inicia a acompanhar a melodia da música com sua voz rouca e sensual.

Vick sente-se paralisada diante de ouvi-la cantando em francês, fazendo um biquinho sedutor e articulando cada sílaba com habilidade.

____"J'ai compris tous les mots, j'ai bien compris merci
Raisonnable et nouveau, c'est ainsi par ici
Que les choses ont change, que les fleurs ont fane
Que le temps d'avant, c'etait le temps d'avant
Que si tout zappe et lasse, les amours aussi passent
Il faut que tu saches"

Esperou-a terminar e perguntou:

____Onde aprendeu o francês com tanta desenvoltura!
____Em Toulouse na França. Existe um dialeto mais encantador, o da região do "Langue D’oc". Morei por lá cerca de três anos quando estudava ballet. Mas isso foi há muito tempo quando eu tinha aproximadamente a idade de Julia. Cheguei a ser convidada para fazer parte do corpo de Ballet jovem do Teatro Municipal de Paris. Seria uma das "Etóiles".

Silenciou, com uma ligeira expressão de dor nos olhos.

____Acho a língua francesa excitante! - confessou Victória e Louise pareceu tornar a se animar, continuando a cantar a melodia, agora, quase sussurrando.

" J'irai chercher ton coeur
Si tu l'emportes ailleurs
Meme si dans tes danses
D'autres dansent tes heures
J'irai chercher ton ame
Dans les froids, dans les flammes
Je te jetterai des sorts
Pour que tu m'aimes encore"

_____O que diz a música? - perguntou Victória, tomando-lhe o rosto oval nas mãos, aproximando seus lábios dos dela.
_____Fala sobre o adeus a um grande amor... sobre o desejo de reconquistar. Quando a ouvir, lembre-se de mim!

Ficaram silenciosas, trocando carícias até que a policial arriscou:

_____Deixe-me beijá-la, minha querida! - pediu, quase suplicando, adoecida por dentro por deparar-se com aqueles lábios "arrasa-quarteirão" (como já tinha observado o Agnaldo) tão próximos e tão inacessíveis.
____Beijo nos lábios é para o amor! - disse-lhe ela, suavemente.
____Mas se não beijá-la vou me sentir amanhã como uma "garota de programa".
____Desculpe-me caríssima, mas meu corpo não te basta? O meu mel não te sacia? É só o que posso lhe oferecer!

Victória suspirou vencida e silenciou, não tocando mais no assunto.

Deitaram-se na cama, e ficaram namorando e se acariciando por horas, até que ao som da Ária 3 de Bach, reiniciaram a fazer amor, sendo que Louise avançava pelo corpo de Victória,  cada vez com mais segurança e autoridade, sendo que por fim, arriscou-se a sugar seu sexo, no princípio, tímida e desajeitada, mas aos poucos, sugando-a como se quisesse extrair-lhe todo seu leite de fêmea. Di Angelis instruía-lhe, pedindo hora, suavidade, hora intensidade e quando por fim, ela se encaixou em seu sexo de forma perfeita, segurou-lhe o rosto, gemendo e pedindo para que não parasse. Por fim, gozou-lhe nos lábios, sentindo-se desfalecer.

Já, com ela em seus braços, beijou-lhe os olhos, segredando:

____Você aprende rápido! Logo, vai conseguir me fazer flutuar em uma "tsunami"...

Riram, tocando-se sensualmente até por fim, adormecerem.

Na manhã seguinte, Victória acordou, sentindo a cabeça macia e adormecida de Louise, aninhada em seu peito.

____Oh que bom! Ela ainda está aqui! - constatou feliz, ouvindo os sinos natalinos, badalando antes do tempo.

Olhou para o relógio e constatou que já era passado do tempo de pegar a estrada e ir trabalhar. Moveu-se suavemente, tentando sair da cama sem acordá-la, mas seu esforço foi em vão, pois ela abre os olhos e a fita, carinhosa, passando a beijar-lhe o seio, repetidamente, intensificando sua carícia até iniciar a sugar-lhe.

____Você é insaciável, amor, mas... estás de férias e eu preciso trabalhar. O dever me chama!
____Eu a dispenso hoje de seu trabalho! Ainda precisa se recuperar da missão "Marola Negra" - disse ela, acercando-se mais do corpo de Victória.
____Mesmo assim... tenho que ir para casa, querida! Deixei Sir Lancelot sem ração e preciso resolver alguns assuntos pendentes na cidade, além de comprar alguns presentes para o Pedro, filho do Araújo! A mais, se ficarmos mais um dia juntas, acabamos nos matando...

Louise sorriu, espreguiçando-se como uma gatinha angorá, para depois enlaçá-la nos braços.

____Então vá! Eu também vou esperar mais um pouco a ligação do hospital e depois voltarei para a cidade. Talvez passe na delegacia para conversar com o Edgar.

Victória apanhou sua mochila e de lá retirou um par de calça jeans limpa e uma camisa curta que desnudava seu umbigo, deixando-a muito atraente e sensual. Tomou um banho rápido e saiu do banheiro, perfumada, com os cabelos escovados, pronta para sair.

Deparou-se com o olhar frio de Louise, em seu corpo.

____Mude esta camisa! É muito... reveladora! - argumentou a Delegada, aproximando-se e acariciando-lhe o rosto.____Você não faz ideia do quanto é atraente! Vista outra e poderá ir! - mandou, com o rosto crispado pelo ciúme.

Victória não quis discutir e obedeceu. Ainda mais porque a deixava excitada presenciar os ciúmes de Louise e seu desejo naquele momento foi de beijar-lhe os lábios ao se despedir, mas conteve-se, contentando-se em apertá-la nos braços e a beijar-lhe o pescoço perfumado repetidas vezes.

____Até mais, caríssima! - disse, antes de montar em sua moto e ganhar a estrada.

 

 

REVELAÇÃO

 

Ao entrar em seu apartamento, o telefone toca. Era Antonio Di Angelis.

____Olá, nenê! Liguei para saber se tinha chegado bem! Já está no apartamento?

Victória riu e agradeceu a preocupação, tranquilizando-o.

____Sim, acabei de entrar! Vim tranquila, sem pressa e o trânsito estava bom!
____E a Louise, ela também desceu?
____Não sei dizer ao certo, mas se Júlia acordar ela certamente estará a caminho do hospital.
____Ah! Sim... Bem, quem sabe mais tarde também faça uma visita para a garota.

Desligou, com Vick intrigada pelo estranho telefonema. Conhecia seu pai e sabia que ele não era assim tão preocupado, ou pelo menos, nunca se mostrara.

A campainha tocou. Foi atender displicente, pensando ser o garoto que deveria entregar o leite que encomendou.

Abriu e deparou-se com o próprio Antonio Di Angelis, ainda com o celular na mão.

____Posso entrar? - pediu ele, embaraçado.

Victória que estava carregando Sir Lancelot pelo cangote para o banho, deixou-o escapar por entre os dedos, ao que ele, esperto, tratou logo de se ocultar pela casa.

____Claro que pode! - respondeu por fim, sentindo seu alarme interior disparar, chegando a perder a cor dos lábios.

Antonio entrou no pequeno e confortável apartamento da filha, aparentando um gigante entrando na toca de um coelho, dada sua elevada estatura e constituição robusta.

Seus olhos, de um verde muito claro, possuíam naquele dia o tom cinza de uma manhã chuvosa e Vick sabia muito bem o que isso significava. Seu pai era filho de italianos e como tal, muito passional, o que denunciava que algo muito intenso estava efervescendo em seu peito.

____Aconteceu alguma coisa? - perguntou a policial por fim, resolvida a enfrentar o que viesse imediatamente, sem delongas.
____Preciso saber o que está acontecendo entre você e Louise! Não me oculte nada! Não tenho qualquer tipo de preconceito a respeito, como já lhe disse antes! - perguntou, a um fôlego só.

A cabeça de Victória girou. Imaginara todo tipo de pergunta embaraçosa, mas aquela era exatamente o que para ela, passava do embaraçoso e entrava no campo do "inconfessável", principalmente porque invadia o foro íntimo, não só de si, mas o de Louise. E havia o agravante de que, estava ali, na testa dele, escrito em garrafais a pergunta que calara:
_____Você andou transando com a mulher da minha vida?

Baixou a cabeça, tossindo baixinho, tentando ganhar tempo.

____O senhor ainda ama Louise? - perguntou cautelosamente.
____Não, absolutamente! Eu e a "Jour" não temos mais nada a não ser uma bela e antiga amizade. Minha preocupação é com você!
____Está mentindo! - pensou Victória.____Ele até a chama carinhosamente de "Jour" (dia) - raciocinou, tentando ainda decifrar a razão da vinda dele até ali e seu objetivo.
____Preocupado comigo?
____Ora, Victória, não se faça de ingênua! Eu quero saber o quanto está se envolvendo com Louise!

Uma irritação intensa foi se formando no peito de Vick, pois não podia aceitar tanta invasão em sua vida particular e muito menos de seu pai, pois eles haviam reatado as relações há pouco e isso não lhe dava o direito de acuá-la como a uma menininha sem juízo, advogando claramente em causa própria.

____Eu não tenho qualquer envolvimento com Louise do tipo "íntimo", além do profissional, se é o que quer saber. Mas isso porque "ELA" não quer e não permite, pois por minha vontade, a Bittencourt já estaria na minha cama há meses! - mentiu, respondendo por ímpeto e se arrependendo tardiamente pela sua falta de prudência.

Antonio sentou-se no sofá, como se tivesse sido atingido por um tiro de canhão, ficando quieto por longos minutos, para depois erguer o rosto para ela, aturdido.

____Desculpe-me, nenê! Eu sei que agi de forma invasiva e muito passional, mas é preciso que, para seu bem estar, você tire Louise da cabeça! Ela não é mulher para você! Aliás, a "Jour" não nasceu para ser mulher de ninguém! Você não sabe o terreno que está tentando
se aventurar!
____Bom, ninguém melhor para me contar, do que quem já se enveredou por ele antes! - respondeu Victória com voz embargada pela ansiedade e medo de descobrir algo muito terrível sobre a Bittencourt.
____O primeiro marido dela suicidou-se! O segundo, o pai de Julia, simplesmente enlouqueceu e está apodrecendo em algum sanatório no interior da França.
____O que ela fez com eles?
____Louise não é culpada de nada. Apenas é extremamente sedutora e incapaz de amar alguém, além de Julia. É preciso muita firmeza de caráter para se relacionar com ela e não ser totalmente controlado e envolvido ou mesmo, enlouquecer de paixão. É preciso ter a cabeça no lugar para não mergulhar no desespero quando ela por fim se cansar e descartar seus enamorados, como se faz com um relógio velho que não serve mais para marcar as horas.

A voz dele soava amargurada e neste momento, Vick pode sentir que tudo que ele descrevia era exatamente como se sentia: ____um objeto descartado!
____Como o senhor mesmo disse: Ela é incapaz de amar alguém... e eu devo completar com as próprias palavras dela: "mulheres não são equipadas para me dar prazer". Saiba que Louise Bittencourt nunca incentivou minhas pretensões amorosas. Muito pelo contrário: Ela me rechaçou, feriu e magoou profundamente. Minha proximidade estreita com ela e ela comigo, se deve ao fato de termos enfrentado o perigo várias vezes juntas e vencido. De algum modo, ela me protege e eu a ela. É apenas isso! Devo confessar que a quero muito, mas é um sentimento fadado a perecer, pois não tem para onde expandir e minguará com o passar do tempo!

Victória disse isso com o coração opresso e a voz embargada, o que fez com que seu pai a abraçasse:

____Minha nenê, afaste-se dela enquanto puder!
____Não! - disse Vick, abruptamente, livrando-se do abraço do pai.___Ninguém pode me impedir de tentar! Nem você! - completou desafiadora.

Antonio silenciou embaraçado, para depois sorrir melancolicamente.

____Uma autêntica "Di Angelis": Impetuosa e implacável! Você só herdou o aspecto físico de sua mãe. Posso me ver em você, do alto de toda minha personalidade de moço de vinte e poucos anos. Confiante e convicto de que o mundo estava a minha espera para ser desvendado e subjugado. Hoje, mudei muito meu modo de encarar a vida e espero que você, com o tempo e os reveses, aprenda como eu aprendi: Não há verdades absolutas nem um pote de ouro no fim do arco-íris.

Victória dirigiu-se para a porta e a abriu.

____Ainda assim, insisto em procurar seguir meu próprio caminho! - disse, com voz baixa, sem conseguir encarar o pai nos olhos.
____Tudo bem, nenê! Já descobri o que pretendia: Se Louise estaria interessada em você e como posso ver, para seu bem, ela não está. Nesse caso, posso respirar aliviado. Você não merece passar por isso! - disse ele, sorrindo, tímido e indo embora.

A policial fechou a porta com dificuldade, como se esta pesasse algumas toneladas.

____Sacré Coeur! - articulou, enquanto decidia que o melhor era tomar um bom banho, um suco de maracujá e depois sair para espairecer a cabeça e pensar melhor. A visita do pai lhe deixou o coração pesado e escuro. Sentia um misto de revolta e dor.
____Porque com tanta mulher no mundo, eu acabo me envolvendo logo com a "Madame Scorpion"?

Enxugou o corpo com raiva enquanto lágrimas lhe saltavam dos olhos ao lembrar-se de Louise lhe cantando mansinho ao ouvido, do cheiro inebriante do sexo dela, ou mesmo de sua pele alva e amplos olhos azuis que bem sabiam transbordar desejo e paixão.

O celular tocou e Victória tremeu, pensando que podia ser ela, dizendo que sentia saudade, mas a voz de Edgar lhe fez voltar à realidade crua.

____Estamos nos reunindo! Houve um ataque na noite passada, que é exatamente quando se comemora o Sabbah de Litha! Aguardamos você daqui a 15 minutos na sala de reunião, junto com os outros membros da equipe.

 

 

"ALIUD CECIDIT SECUS VIAM, ET CONCULCATUM EST"

 

Já em torno da grande mesa de reunião, a policial se acabrunhou em não ver Louise por ali, mas pensou que melhor seria assim, pois no estado de espírito emocionado em que se encontrava, seria difícil ocultar sua ânsia, saudade e desejo dos olhos dos colegas.

O líder postou-se em seu lugar na mesa, iniciando a reunião.

____Exatamente na noite passada aconteceu um show de rock no nosso maior estádio de futebol. Então, alguns minutos depois da meia-noite, ocorreu um tumulto em algum lugar que desencadeou o pânico entre os jovens que assistiam o show. A multidão começou a se mover, e vocês bem sabem o que isso pode resultar! - descreveu Edgar, muito sério.
____E qual seria a conexão desta ocorrência, com o ataque do "Legado de Nix"? Pensei que nossa valorosa colega já havia liquidado com o matador serial! - alfinetou a Ana Beatriz.
____A verdade é que há uma garota morta, por parada cardíaca que supostamente foi pisoteada no show de rock, como na parábola do semeador, além de ter tatuada no corpo, exatamente as inscrições em latim: " Aliud cecidit secus viam, et conculcatum est" (e a semente foi lançada na terra e pisada pelos homens). - grunhiu Edgar com sua expressão de homem primata.

Todos silenciaram, sendo que ao fim, o chefe levantou-se e anunciou:

____Nossa titular os convidou para uma reunião em sua casa no sítio onde mora, ao cair da tarde e no caso, quem quiser, pode ir preparado para pernoitar. Existem quartos com beliches para acomodar a todos. Agora estão dispensados.

O grupo levantou-se e estava deixando a sala, quando Edgar emenda:

____ Ana Beatriz e Di Angelis. Louise está no gabinete e deseja vê-las imediatamente! Só está esperando-as para depois poder voltar ao hospital onde a filha está internada.
____Pensei que ela estivesse em férias! - disse Ana Beatriz, surpresa.
____Ainda está, mas veio à delegacia principalmente para conversar com vocês duas em particular.

As policiais se entreolharam, ansiosas.

Quando se dirigiam para o gabinete, Ana perguntou para Victória:

____O que você aprontou desta vez, Di Angelis?
____Eu já ia fazer a mesma pergunta a você! - respondeu a policial, olhando-a desafiadoramente.

No gabinete, encontraram Louise com a expressão fria e pétrea costumeira.

_____Sentem-se! - mandou, enquanto iniciava a explicar que o motivo daquela reunião inesperada era o de que Julia acordara e já fora elaborado retrato falado do agressor, sendo que a titular levaria a filha para sua casa naquela tarde.
_____Vou destacar você, agente Beatriz para organizar as buscas e comandar os investigadores nas ruas. Quero todo suspeito detido o mais breve possível e interrogado.

Hoje à noite, depois da reunião com "Os Neblinas", conversaremos mais sobre o assunto.

Ana Beatriz abriu um sorriso imenso e não conseguia disfarçar sua satisfação pessoal.

_____Tenho certeza que escolheu a policial certa! - disse, gaguejando emocionada.

Louise a dispensou e voltou-se para Vick, que não conseguia mais disfarçar sua ansiedade quanto àquela entrevista particular.

_____E quanto a você Di Angelis, eu a chamei para pedir que me acompanhe até o hospital para buscar a July e a levar para casa. Ela já perguntou por você várias vezes e está em um estado emocional muito fragilizado. Sinto que confia em você e talvez sua presença possa acalmá-la um pouco. Está recebendo calmantes, mas não gostaria que minha filha estivesse dopada 24 horas ao dia.

Victória, avaliou o pedido e sorriu:
_____É só isso?
_____Sim! Você aceita?
_____Claro! Eu gostaria de poder ajudar em tudo que precisar a respeito da Julia.

O assunto estancou e elas olharam-se por longos minutos, silenciosas, até que Louise contornou sua mesa, aproximando-se suavemente da policial.

_____Senti saudades! - sussurrou, carinhosa.

Victória sentiu-se quase desfalecendo ante a proximidade do corpo esguio e perfumado dela, mas a voz de Antonio Di Angelis imergiu em sua mente, gritando:____O primeiro se matou! O outro enlouqueceu... afaste-se dela enquanto puder!

O silêncio denso e a falta de reação de Vick fez Louise observar minuciosamente seu rosto, como se quisesse ler-lhe os pensamentos.

_____O que tem Di Angelis? - perguntou com a voz tensa.___Está me olhando como se eu fosse uma criatura sobrenatural que tivesse materializado à sua frente! Está pálida!
____Não é nada! Eu apenas estou um pouco cansada! Deve ser isso!

Louise tocou-lhe o rosto, ainda a olhando atentamente.

____Vi quando Antonio saiu da Nova Suíça, poucos minutos após você! Encontraram-se no caminho?
____Não, mas ele me procurou em meu apartamento!

A delegada enrijeceu todo o corpo, claramente furiosa.

____O que Antonio andou falando sobre mim?
____Algo sobre as sequelas do amor que você deixa em quem se atreve a querê-la!
____E o que mais? Conte-me tudo! Tenho direito de saber.

Victória contou pausadamente toda sua conversa com o pai, percebendo que Louise, a cada palavra, parecia distanciar-se e tornar a se fechar dentro de suas muralhas interiores intransponíveis. Terminou, sentindo-se muito mal, pois somente naquele momento, percebeu o quanto seu diálogo com Antonio lhe havia ferido.

____Ele não mentiu! - exclamou a Bittencourt, com voz baixa e rouca, aproximando-se de Victória e a enlaçando.
____Mas ele não tinha esse direito! Comportou-se como um menino tolo e eu não admito que ninguém tente governar ou manipular minha vida particular! - a voz dela agora, tremia de indignação e ia se tornando exaltada. ____É preciso que saiba, Di Angelis que seu pai certamente está realmente muito transtornado pois foi demitido há pouco mais de uma semana da multinacional onde trabalhava e agora tenta manter as aparências de empresário abonado e bem sucedido, dilapidando, para isso, tudo o que ainda tem e sustentando mulheres novas e bonitas com presentes caríssimos!
____O quê? - perguntou Vick, não acreditando no que ouvia.
____Antonio Di Angelis está desempregado e em franca destruição de tudo o que tem. É só uma questão de tempo!- despejou Louise.
____Está insinuando que ele tentou me afastar para tornar a se aproximar de você para poder com isso ser sustentado?
____Não propriamente, mas já o ajudei em ocasiões anteriores, tanto com empréstimos de boa soma em dinheiro, quanto intercedendo junto ao alto empresariado para sua contratação nas melhores empresas!
____Eu não acredito! Você está sendo cruel! Meu pai pode ser namorador, passional e muito preocupado com o status social, mas é um homem competente e orgulhoso! Ele não pode estar quebrado! É um administrador excelente!

Louise passou a acariciar-lhe o rosto, descendo suas mãos lentamente para o o colo de Victória, introduzindo-as no decote de sua blusa e tocando-lhe os seios com desejo.

____Não me toque! Mesmo que tudo isso seja a pura verdade, ainda assim, você não tinha o direito de me contar. Não desse modo, pintando-o como um fracassado interesseiro, tentando retirar a filha da jogada e recuperar sua mina de ouro - disse a policial, afastando-se da carícia de Louise, como se estivesse sendo queimada a fogo.
____Você não entende, Victória! Eu quero você! Quero passar muitas noites ao seu lado! Senti saudades e tremo de desejo! Será que não entende o quanto estou precisando que me toque, me faça um carinho ou ao menos diga que também sentiu saudades?
____Desculpe! Mas preciso saber se me chamou aqui no gabinete apenas para me convidar para buscar a Julia, pois preciso de uns minutos a sós em minha sala para pensar um pouco.
____Eu a chamei também para discutir sobre seu pedido de remoção para o Distrito Policial da Giuliana! Devo desconsiderá-lo?
____Não! Eu ainda mantenho o pedido! Mas agora gostaria que me dispensasse. Nos encontramos no hospital.

Louise caminhou até uma gaveta e apanhou um papel que Vick reconheceu como sendo seu pedido de transferência.

____Indefiro seu pedido! - disse ela, enquanto lançava a folha no triturador.
____Não pode fazer isso! É abuso de autoridade! Mandei outra cópia a Secretaria de Segurança e a doutora Giuliana fará com que me transfiram.

A delegada apanhou Vick pelos ombros, com os olhos luzindo de fúria.

____Giuliana não fará nada, muito menos a SSP! Eu os impedirei, te asseguro!

A policial perdeu a cor de tanta revolta com tudo o que lhe acontecia e não viu quando a empurrou violentamente e contra-atacou com as palavras:

____Se fizer isso, eu me exonero! Não poderia trabalhar por mais um dia aqui! Sou livre e não tenho dona!
____Exonerar-se? E como manterá seu apartamento, visto que será apenas questão de tempo para ter que vender o sítio que foi de sua mãe? Seu pai não poderá mais manter uma propriedade daquele porte e muito menos você, mesmo agora, com seu parco salário de policial!

Victória soluçou e lágrimas densas escorreram-lhe pela face, ao que Louise adiantou-se e agarrou-se forte ao corpo dela, beijando-lhe a face, as mãos, os ombros e as lágrimas.

____Me perdoe, cara mia! Eu perdi o controle! Não queria te ferir! Eu apenas estou me sentindo acuada! Não esperava que fosse me rejeitar... eu preciso de você, Dian, eu preciso em quem confiar e posso cuidar de você! Não vou deixar que perca o sítio, eu lhe asseguro! Confie em mim!
____E o que é preciso ser feito para que isso aconteça? - perguntou a policial, tremendo, entre soluços de seu choro que tentava represar na garganta.
____Quer que eu me venda? É meu corpo que quer? Porque logo eu, se você pode comprar a mulher ou o homem que bem desejar? Eu sei porque está agindo assim: eu sou a única culpada! Eu sou fácil. Muito fácil! Só precisa contar uma historinha bonita, jogar charme, um pouco de sedução e pronto, é embrulhar e levar!
____Você não está entendendo! - sussurrou Louise.
____Não, eu entendi muito bem e minha resposta à sua proposta é: Não! Eu não vou me vender. Quanto ao resto, isso eu penso depois! Agora me dá licença que preciso sair!

Dirigiu-se a porta e antes de abri-la voltou-se.

____E não se preocupe! Vou buscar Júlia no hospital! Devo isso a ela, mas é só por ela que farei! - disse enquanto tirava o anel de rubi do dedo e o jogava no chão.
____Tome seu anel da sorte! Só me trouxe problemas com a mulher que amo!

Saiu sem olhar para trás.

No hospital, enquanto aguardava no hall pela liberação da jovem Bittencourt, Victória recebeu um telefonema de Adriana.

____Di! Eu preciso conversar com você! Quero que entenda que o que aconteceu comigo e a Lizandra foi algo que ainda não posso entender, mas que de alguma forma, não foi um gesto leviano para te ferir. Não podia saber que você estava na casa. Não queríamos feri-la ou que se sinta traída!
____Não fui traída, afinal, eu e Liz já não namoramos mais e eu não posso governar a vida dela! Não tenho esse direito.
____Não queremos que nos julgue precipitadamente! Precisamos conversar com você!

Victória entendeu pelo plural que Adriana utilizava, que ela e Liz ainda estavam juntas ou mesmo, próximas.

____Sim! Eu acredito que precisaremos conversar um dia, com mais calma. Eu a procurarei assim que me desembaraçar de alguns assuntos da delegacia. Despediram-se e desligaram o celular.

Louise reapareceu no corredor, abraçada a Julia, que caminhava lenta e com dificuldade.

Leandro as acompanhava com a cabeça baixa e muito silencioso. Os hematomas e ferimentos naquele rosto juvenil e puro, fez o sangue de Victória entrar em ebulição e ela se aproximou da garota, sem saber o que dizer e como agir.

Assustou-se quando Julia Bittencourt, se atirou em seus braços, soluçando com tanta dor que parecia que seu peito se partiria.

____Dian! Me leva para casa?

Vick sentiu o chão vacilar aos seus pés, mas resistiu ao impacto daquele encontro, com todas as suas forças, abraçando-a e lhe sussurrando ao ouvido:

____Eu a levarei onde quiser, princesinha e de agora em diante, prometo que vou ajudar sua mãe a cuidar de você e nunca mais, enquanto eu for viva, ninguém vai machucá-la ou mesmo magoá-la! Eu prometo!

Choraram abraçadas e por fim, dirigiram-se para o veículo que as conduziria para a casa.

A tarde na deliciosa e imensa propriedade de Louise, passou mansa, com Julia adormecida em seu quarto, enquanto a delegada mantinha-se quieta velando-lhe o sono. No piso inferior, Leandro e Victória conversavam em voz baixa.

____Minha irmã não tem se alimentado direito e mal consegue dormir! Hoje pela manhã, eu a vi chegar sorrindo do Chalé da Nova Suíça, mas ao entrar e se deparar com as coisas de July pela casa, seu rosto simplesmente mergulhou nas sombras da ira e ódio. Precisamos cuidar para que ela não perca o controle e faça qualquer coisa que venha a piorar a situação...
____Estarei atenta! - disse Victória, que diante daquele drama familiar traumático, havia esquecido momentaneamente de seus problemas particulares. Aliás, depois que Julia a abraçou no hospital, sentiu-se como uma leoa desejosa de proteger a cria com a própria vida e em sua cabeça, decidira ficar ao lado da garota enquanto ela precisasse ou quisesse.

Continuaram a conversar, até que a policial lembrou-se dos sonhos que a atormentaram por várias noites e pediu ao Leandro:

____Posso ver o computador da July? Onde ele está?
____Na sala de estudos dela!
____Pode rastrear os e-mails e os sites onde ela andou navegando?
____Claro! Isso seria fácil para mim!
____Então vamos! - pediu a policial.

Passaram horas, analisando tudo que encontraram até que Vick, suspirou emocionada.

____Descobri a chave! O liame que faltava entre meus sonhos e os ataques do criminoso. Imprima estas páginas. Precisamos mostrá-las ao grupo.

 

 

TOUCHÉ

 

Aos poucos, os membros da equipe dos Neblinas foram chegando e a reunião iniciou-se na ampla sala de estar.

Louise sentara-se muito quieta e com expressão distante, em sua berger próxima à lareira e Victória pediu licença para relatar tudo o que descobrira.

Ao longo de sua descrição, foi muitas vezes interrompida por Ana Beatriz ou outro colega, que não conseguira alcançar a profundidade e inteiro teor de sua teoria.

____É um absurdo! - disse a Beatriz, incrédula.
____Continue, Agente! - pediu o Edgar, já com os olhos fechados e iniciando a hibernar.

Victória continuou a falar extremamente excitada com o que revelava ao grupo e ao fim, concluiu:

____O próximo ataque será possivelmente no natal ou no ano-novo. Ele e seus seguidores misturam seus rituais profanos com o dos cristãos. Na verdade, o filho de Nix, criou sua própria religião, mesclando muitas outras e assim, como criminoso carismático que é, cria um nexo a tudo que faz.

A sala ficou silenciosa e Louise agora, parecia distraída contemplando as labaredas que escapavam da lenha no interior da lareira.

____Resumindo: O filho de Nix semeou suas vítimas nos quatros Sabbahs simbólicos da passagem das estações, sendo que nosso matador serial é Thanatus, um perigoso manipulador de venenos letais e quem funciona como seu braço direito, é seu irmão gêmeo: Hipnos. Este último, é quem por intermédio da Internet, manipula as mentes das pessoas, ou vítimas em potencial, simulando um jogo de RPG (onde os internautas incorporam personagens místicos ou fantásticos em busca de cumprir missões, propostas pelo Mestre Supremo). No final do jogo, eles extrairão as sementes sepultadas e as conduzirão para o reino interior de Hades, que também é um servo de Nix e farão o ritual que representará, a colheita, onde uma virgem será sacrificada, representando Perséfone, para que Deméter, sua mãe, volte a trazer fertilidade à terra!

Edgar relatou tudo, ainda com os olhos fechados, ponteando cada palavra, para enfim abrir os olhos.

____Uma história extraordinária, devo dizer! - disse o doutor Willian Salomão, enxugando o suor que escorria de sua testa com seu lenço branco de algodão.
____E como conseguiu reunir tudo isso, Dian? No computador de July? - quis saber Leandro.
____O computador foi o link que faltava para tudo fazer sentido. Os meus sonhos, os símbolos, as representações.... tudo eram mensagens da minha mente sobre tudo que li, tanto no dossiê da Marta, quanto recolhi no material que o grupo reuniu. Há também flashs de rostos que vi em meio aos tumultos, e que memorizei sem ter consciência disso. Rostos que se repetem...
____Uma coisa de doido! - grunhiu Ana Beatriz!
____Não! - disse Louise, parecendo despertar de seu torpor.____É algo digno de uma mente brilhante! Erramos em não termos seguido a intuição da agente Di Angelis desde o início, mas ainda há tempo de agir. Minha filha quase foi morta, mas o fato de deixar de ser virgem a tirou da mira do assassino que imolaria uma donzela em seu ritual final à deusa Deméter. A desgraça de July acabou livrando-a da morte certa! Ainda podemos impedi-lo de assassinar uma jovem virgem em seu ritual macabro! É tempo de agir, e agora sabemos que no computador, Hipnos estava mandando mensagens subliminares para Julia, para induzi-la a encontrar o templo subterrâneo de Hades e assim agora saberemos onde encontrar o "Legado de Nix" e seu grupo e eliminá-los...

Dizendo isso, a delegada começou a despejar as tarefas a cada membro do grupo:

____Mestre Takahishi, quero que acione seus homens para que verifiquem cada sepultura dos jovens assassinados pelo matador serial. É bem provável que neste exato momento, muitas delas já estejam vazias. Eles já devem ter extraído as "sementes" da terra. O agente Leandro se encarregará de decifrar as mensagens emitidas por Hipnos, mostrando exatamente o local onde ocorrerá a cerimônia final e o dia exato. Certamente terá algo a ver com os desenhos e símbolos encontrados no computador de Julia. Quero também que rastreie todo homem branco, classe média, com mais de 23 anos e menos de 45 com conhecimento excepcional sobre venenos ou produtos químicos, além de ser gêmeo. Pode começar pelas universidades. O Agente Agnaldo trará tudo que puder sobre a mitologia, versos em latim, ritual pagão e de bruxarias. Doutor William Salomão escreverá o perfil do matador, tentando ao fim, encontrar-lhe alguma fobia, medo ou o que realmente lhe trará o sabor de triunfo final que tanto persegue. A agente Ana Beatriz, por enquanto trabalhará na captura do maníaco que atacou minha filha e depois, juntamente com a agente Di Angelis, farão parte dos líderes do grupo de assalto que procurarão e deterão o assassino serial e todo seu grupo e seguidores. Edgar e eu agora vamos nos reunir em particular, enquanto vocês, cabeças de núcleos poderão sair a campo. Boa sorte e mantenham-nos informados sobre tudo que descobrirem.

A rapidez como o grupo se desfez foi impressionante, restando ao fim, Leandro dirigindo-se para o computador de Julia com seu laptop particular debaixo do braço, deixando Ana Beatriz e Victória, sentadas sozinhas na sala.

____Você tinha que roubar a cena! - disse a Bia.
____E você acha que a vida é um palco, onde só existe seu nariz arrogante! - respondeu Victória.

Tornaram a ficar quietas, aborrecidas, quando a governanta de Louise entra e convida-as para conhecerem o quarto onde dormiriam naquela noite.

____Era tudo o que eu pedi a papai-noel! Dormir no mesmo quarto que você! - alfinetou Victória, baixinho para Ana Beatriz, enquanto seguiam a governanta pelo corredor de uma das amplas alas da casa.
____Fiquem a vontade e podem se alojar e tomar banho, pois o jantar será servido daqui meia hora! - informou a mulher que administrava a casa da delegada, voltando as costas e saindo do local.

Ana beatriz abriu sua mochila com seus pertences e preparou-se para tomar banho.

____Cuidado ou posso agarrá-la à noite! - disse Vick, com um olhar malicioso para a colega, piscando-lhe o olho.
____Se relar a mão em mim, eu te espeto na minha faca de campanha!
____Você vai gostar, eu garanto, apesar de não ser uma mulher que faça meu tipo, pois é desengonçada, magra de espetar qualquer um com os ossos e fuma como uma maria-fumaça. Beijar você deve dar a sensação de ter lambido um cinzeiro!

Ana Beatriz ficou vermelha e estava a ponto de partir para a agressão física contra Victória, quando a porta se abre e Louise entra, percebendo logo o denso clima entre as duas.

____Interrompi alguma coisa? - perguntou a delegada.
____Nada de importante! - respondeu a Beatriz, ainda vermelha de tanta ira contida.
____Estávamos tendo uma civilizada conversa, de mulher para mulher! - respondeu Victória, com um sorriso ligeiramente sarcástico nos lábios.
____Tudo bem! Apenas vim chamá-la porque Julia acordou e quer falar contigo. O quarto dela é o ultimo, no fim do piso superior. Quanto a você, Ana, podemos conversar aqui mesmo sobre a investigação que iniciará amanhã, com os outros rapazes, para a captura do estuprador.

Vick saiu do quarto, deixando a delegada e a colega para trás. Chegou facilmente até onde Julia estava e ficou com ela, conversando sobre assuntos triviais e contando como se sentia e agia quando tinha a mesma idade da garota. Ela reagia bem ao carinho e fazia inúmeras perguntas, sobre variados assuntos. Em certo momento adormeceu e Victória saiu mansamente do quarto.

Voltou para o aposento que dividiria com a Beatriz, distraída e ao aproximar-se da porta, ainda ouviu parte da conversa entre a delegada e a colega.

____Você não entende, querida! Eu sou capaz de oferecer minha vida para protegê-la e me transferi do nosso distrito inicial para ficar ao seu lado, como sempre fiquei nas missões que enfrentamos juntas. Eu era seu braço direito, a menina de seus olhos, como dizia meu pai! Nunca a decepcionei. Porque agora me deixa em segundo plano e me substituiu ao seu lado pela Di Angelis? O que fiz para merecer isso?
____Eu não a substitui, Ana Beatriz, apenas agi procurando adequar cada policial na área que melhor atua.
____Eu sou sua melhor policial, depois do Edgar, e se compararmos a capacidade operacional, eu suplanto o Meirelles. Victória Di Angelis está querendo seduzi-la. Ela é anormal e transa com mulheres, posso garantir...
____E você pretende livrar-me de cair nos braços da Di Angelis?
____Não... eu, apenas quero que saiba que ela não é nada do que parece ser e a afaste de você e de Julia pois poderá ser uma má influência para o caráter de sua filha.
____Basta! Já chega. Não precisa me dizer o que fazer ou não. Quero que cuide da missão que te encarreguei e sei que a fará da melhor maneira. É só. Com a Di Angelis entendo-me eu.
____Mas, Louise... eu, eu...não quero e não mereço que me trate assim! Eu a amo! Amo! Entende?

Disse isso, enquanto abraçava a delegada e tentava em vão beijar-lhe os lábios, sendo prontamente afastada.

____Não vou considerar este seu gesto absurdo. Sei que está confusa. E principalmente pelo fato de que a conheço desde que era uma menininha no colo de seu pai. Isso a leva a acreditar que sente o que acaba de me revelar, sendo que na verdade tudo não passa de profunda admiração por mim, que nutres há muito tempo. Todos temos nossos heróis e heroínas. Ajuda a formar o caráter, mas depois de certo período, é preciso superar esta fase. Vamos esquecer este assunto, pois quero que vá, tome um banho, para depois praticarmos juntas um pouco de esgrima! Faz tempo que não me bato com um adversário à altura.

Ana Beatriz assentiu com a cabeça, obediente e aparentemente deu-se por vencida.

Victória voltou pelo corredor, silenciosa e depois passou a andar, fazendo ruído contra o piso de madeira, anunciando sua suposta aproximação. Quando entrou no quarto, a colega já havia ido ao banho e Louise encarou a recém-chegada com um olhar frio e ininteligível.

____Ela dormiu? - perguntou.
____Sim! Finalmente os calmantes fizeram algum efeito.
____O que conversaram?
____Sobre tudo, menos sobre o que lhe aconteceu!
____Menos mal! - finalizou a delegada e saiu logo em seguida.

O jantar foi tranquilo, com todos à mesa, exceto Julia que fez suas refeições no quarto. Edgar conversava e gesticulava, entusiasmado. Estava recebendo a cada minuto, uma chamada dos policiais que trabalhavam a campo e as descobertas estavam sendo surpreendentes e confirmavam, ponto a ponto a teoria de Victória.

____As covas das pessoas assassinadas nos Sabbah de Mabon, Yule, Ostara e finalmente o de Litha foram violadas.
____Mal o corpo da última vítima esfriou, ele já as desenterrou? - quis saber Leandro.
____Um claro sinal que atacará em breve e todos sabemos quando! Cabe a você agora, descobrir o local. Já estou contatando uma grande quantidade de policiais de vários distritos da cidade e de outros municípios vizinhos. Deverá ser uma operação dificílima e arriscada e não quero que tenhamos nenhuma baixa em nosso pessoal - respondeu Louise, muito séria.

Terminada a refeição, Louise e Ana Beatriz foram se vestir para esgrimirem, enquanto Victória acompanhava Leandro em suas pesquisas digitais. Edgar saiu para caminhar pela propriedade, enquanto atendia seu HT, recebendo informações e repassando ordens.

Ao fim de muita pesquisa, o rapaz abriu um amplo sorriso e mostrou para Victória o fruto de seu trabalho:

_____Está aqui! Será na passagem do dia 24 para 25 de dezembro, nos subterrâneos abaixo da grande Cathedral da Santa Sé em São Paulo! Só pode ser isso!
_____Parabéns, Leandro! Você é um gênio! - felicitou-o Victória entusiasmada.

O rapaz sorriu e depois bocejou.

_____Estou com muito sono! Vou ver se durmo um pouco. Não tenho conseguido fechar os olhos desde que a July desapareceu.
_____Vá dormir, você merece! - disse a colega, recolhendo o material impresso que Leandro produzira.____Se não se importar, quero mostrar ainda hoje sua descoberta para nossa chefe!
_____Claro que não me importo! - afirmou o rapaz, despedindo-se e saindo da sala de estudos.
Victória desceu as escadarias e perguntou à governanta, onde ficava o ginásio onde Louise e Ana Beatriz estavam. A mulher a informou o lado da propriedade onde deveria caminhar.

Ao se aproximar, ouviu o arquejo das duas, e não deixou de se assustar, pensando que finalmente a Ana Beatriz tinha conseguido seduzir a delegada. Espiou pelo grande janelão e pode vê-las, vestidas com macacões acolchoados, lutando ferozmente. Era um espetáculo magnífico de ser assistido, pois aparentavam dois beija-flores, digladiando-se com seus longos bicos.

Ouviu quando Edgar postou-se ao seu lado, silencioso, também assistindo ao combate.

____A Ana Beatriz, ainda é a única que consegue dar trabalho para nossa titular na esgrima, mas espere mais um pouco e verás uma sequência de golpes extraordinários e os " touchés" que Louise lhe aplicará...

As duas combatentes perceberam que estavam sendo assistidas e por uma fração de segundo, a titular olhou para Victória, com um olhar luminoso. Neste instante, Ana Beatriz atacou e tocou-a com seu florete.

____Touché!

Louise naquele momento voltou toda sua atenção, força e habilidade contra sua oponente, castigando-a duramente, não lhe dando qualquer chance de reação, tocando-a com o florete várias vezes, até que esta se rendesse, fatigada.

Edgar aplaudiu, sendo seguido por Victória.

____Bravo!

Ana Beatriz, fez o cumprimento ritual para a delegada e saiu, dizendo que no momento precisava era de um banho demorado e cama.

Edgar afastou-se com a agente, atendendo novamente seu rádio.

Louise guardou seu florete de treinamento e aproximou-se de Victória com um sorriso suave nos lábios.

____Apreciou o combate? - perguntou, timidamente.
____Um espetáculo sensacional! Nunca pensei que havia tanta beleza neste esporte! Em certo momento, parecia um "Pax de Deux" do balé...

A delegada deixou seu florete a um canto e convidou:

____Existe um lugar na propriedade que penso que vai gostar. É bem depois do orquidário e costuma ser o local onde posso tomar banho tranquilamente sem ser incomodada. Venha, quero mostrá-lo a você.

Ao se aproximarem, Victória percebeu que era uma espécie de réplica de um delicioso "banho romano" com colunas sustentando e contornando uma área coberta, em formato sextavado, com piso de mármore e ao centro, em formato também sextavado, com escadarias de pedra e água cristalina e fumegante, um típico banho romano. Pelas paredes que isolavam o local da área verde, havia inúmeros mosaicos no estilo da Roma antiga. A água jorrava corrente, porém estava quente e deliciosa.

____Venha comigo! Aqui tem roupões de seda que poderá usar depois do banho!

Victória não teve como negar estar ali, sozinha em companhia de Louise, pois esta retirou rapidamente sua roupa úmida de suor e ficando somente com as pequenas peças íntimas, entrou na água, suspirando de prazer.

____Entre! - convidou.
____Vick despiu-se e também ficou apenas com calcinha e sutiã, entrando na deliciosa piscina, sentando-se em um degrau e fechando os olhos, apreciando muito o bem estar e relaxamento que a água quente lhe fazia nos músculos tensos.

Em poucos minutos, sentiu a aproximação de Louise que sentou em seu colo, enlaçando-a pelo pescoço com os braços macios.

____Hoje, na sala, quando você descrevia sua teoria, meu desejo foi de despi-la ali mesmo e fazer amor contigo no grande tapete, em frente de todos...
____Ainda bem que você não usa drogas! - riu Victória, tentando disfarçar seu coração disparado e excitação crescente.

Louise levantou-se e retirou seu sutiã e calcinha, encostando seus seios no rosto da policial que não resistiu à provocação e os apanhou nos lábios, sugando-os sedenta. A Delegada segurava-lhe a cabeça, gemendo e a incentivando, mais e mais. Depois, libertou-se dos braços de Victória, sentando-se na borda da piscina e ao deitar-se, abriu as pernas, langorosamente, com um olhar de puro desejo.

____Venha meu amor e bebe o meu leite de fêmea!

Di Angelis sentiu-se desfalecer de tanto desejo, postando-se entre as pernas dela e tomando-a completamente com seus lábios. Agora sabia o quanto desejara tornar a fazer amor com Louise.

Ela gozou como o fazem os felinos, gemendo, arranhando e contorcendo-se de tanto prazer. Depois, cessou e descansou com o rosto sereno e olhos fechados.

Quando tornou a acordar, enlaçou o pescoço de Victória e olhando-a profundamente nos olhos, retirou sua língua rosada e lambeu-lhe os lábios. A policial entendeu aquele gesto, e aprisionou a língua de Louise, e passou a devorar-lhe os lábios tão desejados, mordiscando-os, sorvendo-os e invadindo-os com sua língua voraz.

Entrou em um êxtase imediato, gemendo de loucura, chegando a ferir-lhe a fina pele encarnada dos lábios, não conseguindo mais livrar-se daqueles beijos. Enfim, ela afastou o rosto, sorrindo e gemendo.

_____Quero amá-la novamente! - pediu quase ronronando, enquanto lançava-se com agilidade sobre o corpo de Victória, beijando-a com loucura e urgência.

Enfim, quando os corpos exaustos se enlaçaram para o merecido descanso, Louise deitou-se nas costas de Di Angelis, aplicando-lhe uma deliciosa massagem e convidando.
_____Vamos ao meu quarto e poderemos repousar!
_____Ana Beatriz dará pela minha falta!
_____Não se preocupe. Amanhã direi que dormiu próxima de Julia, o que não será nenhuma mentira.